Aborto Espontâneo

Saiba quais são os sintomas e quem está mais propensa a sofrer o problema

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: Gravidez, Será que estou Grávida

A mulher tem o resultado do teste de gravidez positivo, vê seu sonho se realizando, mas logo nas primeiras semanas sofre um aborto espontâneo: é um momento de extrema tristeza, mas saiba que o problema não é tão raro de acontecer.

O aborto espontâneo costuma acontecer nas primeiras 20 semanas de gravidez. Em muitos casos, a mulher sofre um aborto espontâneo sem ao menos saber que tinha engravidado, pensando que o sangramento é apenas a menstruação que estava atrasada.

problemas na gestação

Como saber

Mas quais os sinais de um aborto espontâneo? A mulher sente cólicas, parecidas com as menstruais e muito sangramento, com a presença de coágulos. Muitas vezes, a mulher aborta, mas o teste de gravidez dá positivo, isso porque seu corpo apresenta o hormônio hCG, mas o óvulo fertilizado não se acomoda da forma correta no útero.

Muitas mulheres apresentam pequenos sangramentos nas primeiras semanas de gestação, mas isso não quer dizer que ela esteja abortando. Em muitos casos, o sangramento é só um sinal da implantação do embrião. Para não ficar em dúvida, consulte sempre seu médico caso apresente sangramento.

Quando acontece um aborto espontâneo, muitas mulheres acham que elas é que causaram a perda do bebê, seja porque se esforçaram demais, passaram por um momento de estresse, fizeram algum movimento brusco ou tiveram relação sexual. Mas isso não é verdade: a maioria dos abortos acontece por problemas cromossômicos do embrião e por isso a gestação não se desenvolve.

Incidência

aborto espontâneo

O aborto espontâneo é mais comum de acontecer em mulheres mais velhas, que já tiveram abortos. Há ainda maior probabilidade de ocorrer aborto em mulheres com algumas doenças, como gonorreia, sífilis, HIV, caxumba e rubéola. Mulheres com alterações hormonais, diabetes ou problemas da tireoide são mais propensas ao problema.

Mulheres fumantes ou que consomem álcool e drogas também têm mais riscos de abortar.

Se o médico verificar que a mulher já apresenta um problema prévio, pode receitar medicamentos específicos e recomendar o repouso para que a mulher não aborte.

Para detectar o aborto, o médico realiza a ultrassonografia, que pode apontar um embrião que não apresenta batimentos cardíacos, o chamado aborto retido, ou verificar a ausência de embrião, no caso de aborto espontâneo. Mas saiba que se a mulher grávida realizar a ultrassonografia nas primeiras semanas de gravidez, o embrião pode não aparecer porque ainda é muito cedo, mas não quer dizer que ela sofreu um aborto.

Pode ocorrer de a mulher perder o bebê, mas não sofrer um aborto. Nesse caso, é provável que o médico realize uma curetagem, para retirar os vestígios da gravidez de forma cirúrgica. Ou, dependendo de seu estado físico e emocional, o médico pode esperar que o aborto aconteça de forma natural. Ele pode também receitar medicamentos para apressar o processo.

O aborto que acontece depois de 20 semanas de gestação pode ser devido a problemas no útero ou na placenta.

Se a mulher já sofreu dois ou mais abortos deve passar para uma avaliação médica antes de tentar engravidar novamente para que se possa investigar as possíveis causas.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



1 comentário

  1. Bruna

    tive um sangramento bem pequeno,e na minha ultima menstruação ela so ficou 4 dias sendo que ela fica 5 dias.sera que estou gravida?

Comente!




*Campos obrigatórios