Como Conversar com as Crianças Sobre a Separação dos Pais

Nos dias atuais o divórcio é algo comum, mas, mesmo assim gera sofrimento nas crianças. Entenda como conversar com elas sobre isso.

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: 1 a 2 Anos, 2 a 3 Anos, 3 a 4 Anos, 5 a 6 Anos, Crianças

Um país de grandes extensões territoriais como o Brasil não é de se espantar que o número de casamentos seja maior que 1 milhão, segundo dados do IBGE/2012. Mas, é de se espantar o número de divórcios ocorridos no mesmo ano conforme o IBGE que foi de 341.600. Ou seja, mais de 34% de casamentos foram desfeitos. O que será que faz com que a taxa de divórcio seja a maior de todos os tempos em nossa época? Será a mudança de valores, costumes e a conquista de espaço cada vez maior por parte das mulheres?

É difícil saber ao certo. Porém, o que é inegável é que a grande maioria destes casamentos desfeitos geraram filhos que agora precisam conviver com a nova condição familiar em que pai e mãe moram em casas separadas. Há quem diga que um dos grandes medos que assombram as crianças é a separação dos pais. Afinal, as duas maiores autoridades e ao mesmo tempo as pessoas mais amadas da vida de uma criança vão separar seus corpos, viver em locais diferentes, constituir outras famílias e gerar sérios transtornos para esta criança se tudo isso não for bem administrado.

conversar sobre separação

Dicas para Preparar a Criança

  • Deixe claro que ambos amam muito seu filho. Demonstre muito carinho, afeto, diga que várias coisas acontecem na vida sem que gostaríamos que acontecesse, mas que nada no mundo irá mudar o amor que sentem por ela.
  • Só fale sobre a separação se for mesmo definitiva. Dizer para a criança um dia que os papais vão se separar e no outro se pegar e na semana seguinte avisar novamente que vão se separar não fará bem ao psicológico desta criança. Deixe para dar a notícia quando for definitivo. Se caso um dos pais forem morar um tempo fora para pensar e refletir explique exatamente assim, que foi por um tempo e pronto. Não diga que vai ou não vai voltar, pois, neste tempo muita água passa debaixo da ponte.
  • Hora de dizer: Filhos o papai e a mamãe vão se separar. Dependendo da idade da criança, vocês serão bombardeados por uma chuva de perguntas de todos os tipos. Dependo, a criança poderá demonstrar tristeza, raiva, revolta e fazer de tudo o que ela imagina que possa fazer para não deixar isso acontecer. Neste momento, é melhor explicar de modo que possam entender que casais se separam quando não estão gostando mais de morar junto, pois, não dá certo o relacionamento, não querem mais namorar, serão apenas amigos e que isso nada mudará o relacionamento deles com o seu filho.

pais conversando com filho

Coisas que nunca se deve dizer para as crianças quando o divórcio é inevitável

  • Colocar a culpa em alguém. Por exemplo, dizer que a culpa é do pai, que é ele quem está abandonando a casa e o filho. Mesmo que tenha ocorrido algo por parte de um dos cônjuges e que ele seja mesmo o culpado pela separação, não é interessante passar esta informação para uma criança.
  • Não dizer nada, ficar apática perante o filho. Filhos, mesmo pequenos possuem a mente fértil. Eles sempre dão um jeito de imaginar coisas mirabolantes e chegar a conclusão, mesmo que inconscientes, de que, de alguma forma, a culpa é deles. Não deixe isso acontecer com ele.
  • Dizer que um dos genitores não gosta do filho, caso contrário não iria se separar. Alienação parental é crime, previsto em legislação específica. É quando um dos cônjuges fala mal do outro, culpabilizam, falam que não gosta do filho e etc. A mente da criança é frágil e não consegue assimilar que tudo isso são sentimentos de quem fala e não a realidade propriamente dita. Como mexe muito com a cabeça delas, quem pratica tal ato comete um crime passível de detenção.

Não existe um roteiro pronto e perfeito para contar à criança que seus pais irão se separar. É sempre traumático, não importa a idade, não importa se ela ainda está no ventre da mãe. Por isso, todo cuidado e carinho é pouco para lidar com esta situação. As melhores dicas são: seja sempre transparente, guarde o seu sofrimento para você, pois seu filho também irá sofrer e não terá condições de te analisar e esforce-se para que a relação dele com o pai ou com a mãe seja a melhor possível mesmo que este esteja morando longe ou até esteja em outro relacionamento.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios