Cuidado com Discussões: O Bebê Está Ouvindo

A ideia é manter o controle para que as crianças não cresçam com medo e inseguras

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: Até 1 Ano, Bebês, Crianças, Recém Nascidos

Ter um bebê em casa é muito gostoso: cada dia é uma surpresa e os pais ficam orgulhosos quando observam cada aprendizado e reação nova do filho. Porém, ter mais um membro na família altera os gastos e muda a rotina, o que pode desestabilizar um lar.

Assim, não é raro os pais brigarem depois do nascimento do bebê, seja porque ele chora demais, bagunçou a noite de sono da casa ou porque trouxe mais despesas. Mas, mesmo com os nervos à flor da pele, a dica é que os adultos mantenham o controle na presença da criança.

discussão de casal

Pesquisa científica

Mesmo um bebezinho consegue perceber o aumento da tensão entre os pais, deixando-o inseguro e com medo. E isso já foi provado cientificamente.  Um estudo dos cientistas da Universidade de Oregan e divulgado no Psychological Science constatou que bebês de 6 meses a 1 ano são sensíveis a mudança na tonalidade da voz, mesmo na hora do sono. Isso quer dizer que eles sentem quando as pessoas brigam ou discutem, principalmente se alguém alterar a voz, como gritar, por exemplo.

Mas como eles chegaram a essa conclusão? Os bebês foram submetidos a exames de ressonância magnética no momento em que dormiam. Durante o sono, eles ouviam a voz de um adulto que falava em diferentes tonalidades: desde um tom alegre, neutro até bem agressivo. E, quando ouviam o tom mais agressivo, havia elevação do funcionamento de regiões do cérebro relativas ao estresse. Além disso, o estudo demonstrou que as crianças que moravam em ambientes cheios de tensão, também tinham atividade cerebral mais elevada nessas áreas.

casal discutindo

O que mostrou a pesquisa? Em um lar tranquilo, o bebê é tranquilo; em um lar tenso, o bebê tem predisposição para ficar mais estressado. Portanto, os pais devem pensar o quanto podem influenciar seus filhos quando discutem.

Especialistas dizem que os efeitos de um ambiente cheio de conflitos podem ser bastante prejudiciais na vida da criança. Muitas vezes, o pequeno pode pensar que a discussão ou briga está acontecendo por responsabilidade dela, trazendo problemas em sua autoestima, o que vai se refletir no convívio familiar e na escola.

Quando a criança presencia um briga, pode achar que esse é o modo como os adultos resolvem seus problemas, já que os pais para ela são um exemplo. Aí, se o seu filho ficar agressivo e brigar na escola, ficará difícil falar que não se deve ter essa atitude, porque a deixará confusa.

Outro problema que pode acontecer é a criança ficar com medo da própria casa, já que seus pais são agressivos um com o outro ou com medo dos adultos.

Como lidar

Se a criança estiver por perto quando os adultos entrarem em conflito, a dica é conversar, em um tom bastante calmo, com ela e dizer que ela não tem nada a ver com o que está acontecendo e que aquilo ocorreu porque os pais discordaram sobre determinado assunto. Se a criança já souber falar, deixe-a fazer as perguntas e tente explicar a situação.

Em último caso, se as brigas forem constantes e os pais notarem que a criança começou a ficar mais sozinha ou não quer comer, a dica é levá-la para um acompanhamento psicológico.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios