Gatos e o Bebê

Veja as precauções para que a convivência entre seu filho e os felinos seja segura

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: 1 a 2 Anos, Até 1 Ano, Bebês, Crianças, Recém Nascidos

Muita gente fica com receio de deixar o bebê perto de um animal de estimação. O medo é maior quando se trata de gatos, pois eles têm fama de serem ariscos e pouco sociáveis. Mas saiba que os felinos podem conviver bem com crianças assim como os cachorros. Então, se a família já tinha um gatinho, não deve doá-lo depois do nascimento do bebê.

Agora, se a família ainda não tiver animal de estimação, a recomendação dos especialistas é que esperem a criança completar três anos para trazer um bichinho para casa, isso porque um filhote exige muita atenção, principalmente na fase de adaptação e, com um recém-nascido ou mesmo um bebê maior em casa, vai ficar difícil dar conta dos dois.

gato  e bebê

Recomendações

Para que o gatinho não estranhe a chegada do recém-nascido, os donos devem começar a adaptação antes de o bebê nascer. Para isso, pegue alguma roupinha ou paninho do bebê e deixe perto da vasilha de ração e no lugar onde o felino dorme para que ele comece a se acostumar.

  • Com um recém-nascido em casa, será necessário delimitar o espaço do gato, então para que ele não fique estressado comece a delimitar os lugares onde ele pode ir antes mesmo da chegada do bebê.  Isso deve ser planejado com antecedência, já que o gato consegue passar por qualquer cantinho e não tem medo de pular obstáculos.
  • Evite que o gato suba no sofá e camas ou entre no quarto da criança porque ele solta pelos e pode desencadear alergias.
  • É importante que a casa esteja sempre limpa quando se tem um animal em casa, por isso, a dica é ter um aspirador para eliminar os pelos com mais facilidade.
  • Não misture os brinquedos bebê com os brinquedos do gato.
  • Se o gato for apegado à gestante, ela não deve se afastar dele depois do nascimento do bebê. Então, mamãe, aproveite alguns momentos de soneca do recém-nascido e não deixe dar carinho ao bichinho.
  • Deixe que o gato se aproxime do bebê de forma natural. Cuidado para não fazer movimentos bruscos para que ele não se assuste.
  • Nunca deixe o gato sozinho com um bebê, ainda mais depois que ele começar a engatinhar. O bebê pode achar que está brincando com o bicho e machucá-lo e, para se defender, o gato pode arranhar ou morder a criança.
  • bebê e gato

Toxiplasmose e gestantes

Grávidas que têm gatos em casa não precisam doar os bichinhos, devem ficar atentas para não contrair toxoplasmose, uma doença que pode ser transmitida para o feto e causar má-formação e até aborto. Saiba que os gatos criados em casa têm poucas chances de contrair toxoplasmose, já que não têm contato com outros gatos e se alimentam de ração específica.

Mas, para evitar riscos, o ideal é que a grávida não tenha que limpar a caixa de areia com fezes do animal. Se tiver que fazer a tarefa o ideal é que use luvas e depois lave muito bem as mãos. As fezes devem ser limpas diariamente para que não fiquem em contato com o ambiente.

Outra recomendação é levar o gato frequentemente ao veterinário para se certificar que está tudo bem.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios