Geração Alpha

Como lidar com os bebês nascidos a partir de 2010

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: 1 a 2 Anos, 2 a 3 Anos, Até 1 Ano, Bebês, Crianças, Recém Nascidos

Muitas das mamães de hoje em dia já devem ter escutado das vovós e titias coisas que, podemos dizer sem medo, que soam de maneira estranha aos nossos ouvidos. O conflito de gerações envolvendo nascimento de bebês é inerente, principalmente com os avanços tecnológicos, quando se junta várias gerações familiares.

Frases do tipo: “os bebês de antigamente demoravam alguns dias para abrir os olhos e hoje em dia já nascem reparando tudo…” são comuns nos dias de hoje. Os bebês nascidos a partir de 2010 são considerados parte da chamada geração alpha. Já nascem praticamente com os dedinhos a postos para mexer em um tablet!

Existem algumas denominações que correspondem às gerações: geração X, nascidos no final da década de 60 e inicio da de 70; geração Y, nascidos na década de 80; geração Z, nascidos da década de 90. A maioria dos que estão tendo filhos alpha é a geração Y. A maioria desta geração teve contato com a internet, por exemplo, no final de infância e início da adolescência. Estes aprenderam a manusear esta nova tecnologia, do início, digamos do bê-á-bá. O mesmo não irá acontecer com a geração alpha, contudo, percebe-se que em nada prejudicará o seu entendimento diante de novas tecnologias.

geração alpha

Características da geração alpha

  • Forma de pensar diferenciada. Ou seja, não linear ou hierárquica. Eles são Provavelmente, esta é a característica chave que realmente diferencia os bebês e crianças desta nova geração.
  • Conseguem burlar pré-requisitos para fazer alguma coisa. Eles não precisam aprender o bê-á-bá sobre computadores e internet para começarem a mexerem e aprenderem com esta rede mundial que conecta pessoas e conhecimentos do mundo todo.
  • O acesso às informações e as tecnologias é muito mais fácil. Pais da geração Y, já conectados e super ligados a tudo de inovador no mundo atual, as crianças possuem muita facilidade para lidar com estas informações. Claro que, continua sendo imprescindível aos pais filtrarem àquilo que querem ensinar aos seus filhos.
  • Surpreendem a todos das demais gerações. As pessoas sempre questionam onde eles aprenderam isso ou aquilo. Ligam a TV, mexem no mouse do computador com perfeição (lembro-me quando ganhei meu primeiro PC, Windows 3.11, qualquer mexida no mouse tudo saia do lugar, tínhamos que treinar a coordenação no paint), sabem manusear o touchscreen, enfim, não há barreiras para estes pequenos.

menino da geação alpha

Como estimular a geração alpha

  • Aceitar que as mudanças vieram para ficar e que serão positivas é o primeiro passo para ajudar as crianças.
  • Deixá-la experimentar e viver as inovações sem definições pré-estabelecidas. Isso não tem a ver somente com a aparelhagem tecnológica, mas também, e principalmente, com todas as modalidades de ensino.
  • Ensinar a questionar e a não aceitar tudo pronto e definido é tão importante quanto estar a par de tudo o que a tecnologia tem a oferecer.
  • Ajudá-los a valorizar a diferença. Será fundamental para que diante das adversidades e da diversidade estejam mais aptos para desenvolver habilidades inéditas, inerentes à sua condição e inteligência.

Restringir as discussões em relação à geração alpha ao tempo que podem ficar mexendo no tablet não traz à tona a profundidade do que pode ser explorado. É claro que não só de internet vivemos e por isso é preciso continuar ensinando os “velhos” valores, tais como impor limites, obediência e etc. Entretanto, esta geração vai além, muito além do que possamos imaginar, resta-nos acompanha-los e torcer pelo sucesso.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios