Gravidez Tubária

A gravidez tubária ou ectópica não permite o desenvolvimento do feto, além de trazer riscos graves à saúde da mulher.

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: Gravidez, Problemas, Saúde

A gravidez tubária também é conhecida por gravidez ectópica, e infelizmente é mais comum do que deveria. A definição de gravidez tubária é muito simples: é toda a gravidez iniciada fora do útero, em que o feto inicia o seu desenvolvimento em cavidades adjacentes, geralmente as trompas de falópio. Esse tipo de gravidez pode ocorrer por diversos fatores que impeçam o feto de ter acesso ao útero da mãe, assim ele procura a sua sobrevivência mesmo em outros locais.

óvulo fertilizado

Mas, como poderíamos esperar, não há a menor chance que o feto consiga realmente sobreviver, já que o útero forneceria todas as condições para a vida e desenvolvimento de um bebê. Dessa forma, a gravidez tubária é sempre fatal para o feto, que deve muitas vezes ser retirado por meios cirúrgicos para que não prejudique a saúde da mãe.

Esse tipo de fenômeno é sempre considerado uma emergência cirúrgica, e por isso é de vital importância que seja percebido pelos médicos de forma precoce. Por isso, reforçamos sempre a importância do pré-natal e dos exames de rotina da mulher, principalmente quando houver qualquer sintoma estranho, para que esse ou outros fenômenos possam ser diagnosticados e reparados a tempo.

Mesmo assim, a gravidez tubária não é percebida nem como uma gravidez por muitas mulheres, pois possui sintomas algumas vezes de pouca intensidade. Esses sintomas podem incluir: hemorragias e dores na cavidade abdominal da mulher, tonturas, dores nos ombros e pescoço e muitas vezes desmaios repentinos.

Se não for diagnosticada a tempo, a gravidez tubária é interrompida naturalmente entre 06 e 12 semanas de gestação, quando a incompatibilidade entre o feto e o local onde está alojado fica óbvia para o corpo, que decide realizar a ruptura do processo. O médico poderá solicitar à gestante exames de sangue, laparoscopia, ecografia pélvica transvaginal e outros exames complementares, para acompanhar a situação do corpo da mulher e medir o momento adequado para qualquer intervenção.

Principais Causas

Uma das causas mais comuns para a gravidez tubária está ligada a variações hormonais naturais ou não no corpo feminino. Essas variações podem ocorrer pelo próprio envelhecimento do corpo da mulher, uso de drogas que alteram o nível hormonal ou que estimulam a ovulação, como anticoncepcionais, mini-pílulas, pílula do dia seguinte ou DIU com progesterona. Além disso, o uso de drogas lícitas (como tabaco ou álcool) ou ilícitas pode favorecer. No rol de causas para esse tipo de fenômeno podemos incluir também causas mecânicas, como inflamações, tumores ou qualquer anormalidade no desenvolvimento das trompas.

gravidez tubária

Sintomas

Os sintomas da gravidez tubária são bem determinantes e o diagnóstico não é difícil. Quando esse tipo de gravidez ocorre, há o atraso menstrual natural recorrente da gravidez, seguido por um sangramento anormal. Há dor constante na região pélvica ou abdominal, e essa dor pode ser mais forte ou mais fraca, dependendo do caso. Ainda sim, é perceptível a presença de uma massa palpável e dolorosa na região entre o abdômen e a pélvis, na localidade das trompas e dos ovários. Em todo o caso, quando surgir uma combinação qualquer entre esses sintomas (principalmente o atraso menstrual) o médico deve ser consultado e os exames realizados, para prevenir qualquer risco à saúde da mulher.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios