O Papel do Pai Durante a Gravidez

O pai quase sempre subestima a sua participação na gravidez, mas ela é fundamental para o conforto e segurança da futura mamãe.

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: Gravidez, Semana a Semana

Vivemos o tempo de uma nova geração de mães e pais, uma geração muito mais consciente dos seus deveres e obrigações, e muito mais antenada na própria saúde e na saúde dos seus filhos. Há algumas décadas, o papel dos pais e mães durante e gestação e logo após, na criação dos filhos, era bem desigual. Em muitas famílias as mulheres ficavam em casa cuidando dos filhos e os homens eram os provedores da família, sendo mais ausentes e participando pouco de todo o processo.

pai na gravidez

A insegurança de muitos pais aumentava ainda mais esse abismo, já que os homens se diziam incapazes ou sem aptidão natural para assistir e cuidar dos seus filhos, e por isso mantinham-se afastados inclusive na época da gravidez. Nos dias de hoje, a mulher trabalha na grande maioria das famílias, e o trabalho e o cuidado são divididos entre o casal. E essa nova era cria uma nova geração de pais grávidos, que entendem e executam o seu papel desde o início da gravidez até a educação integral dos seus filhos.

Compreensão e paciência

O período da gestação é difícil para as mulheres, e crítico para a relação. A mulher fica naturalmente mais distante do homem na intimidade, tanto por não estar segura com as modificações do seu corpo, quanto por não saber o que o homem está pensando de tudo aquilo.

A mulher passa por diversas alterações físicas nesse processo, e as alterações hormonais talvez sejam as mais incômodas. Isso porque alteram o funcionamento de diversas atividades no organismo feminino, e traz certa irritabilidade e hipersensibilidade às mães. As mulheres sentem mais fome, mais sono, estão mais estressadas e menos compreensivas.

Mas isso não quer dizer que aquela não é a mesma mulher de antes, ou que ela esteja descontando as suas dificuldade no seu companheiro. O homem moderno, informado e prático deve entender que as grandes oscilações hormonais fazem a mulher perder algumas vezes o controle da situação, tanto em ocorrências físicas quanto emocionais.

Uma parte importante da participação do homem durante a gravidez é o acompanhamento nos exames e consultas pré-natal. O homem deve e precisa estar presente, já que esses momentos são importantíssimos para ele e essenciais para a mãe. Esse acompanhamento faz com que a união do casal aumente, e a cumplicidade entre eles possa chegar ao nível necessário para que construam juntos um futuro para essa criança.

Mesmo se os pais estejam separados por algum motivo, essa participação pode iniciar uma amizade em prol do bem estar da criança e muitas vezes cauterizar as mágoas, para que a situação de não ser mais um casal não tenha qualquer influência negativa na vida da criança. O pai moderno participa da gravidez, das dificuldades da mulher e é sempre um apoio para ela, transformando todo esse processo em um tempo bem menos doloroso e desconfortável para a futura mamãe.

Com absoluta certeza os homens subestimam a sua participação ao lado da mulher durante a gravidez, e somente a sensação de segurança e companheirismo estampada nos olhos da mulher podem dizer o quanto isso é importante.

apoio do pai

Planejando o futuro

Para garantir um futuro feliz para a criança o casal deve abandonar o egoísmo hoje. O homem pode muitas vezes se sentir deixado de lado pela mulher, vista a relação íntima e completa que ela e o bebê iniciam no tempo da gravidez. Mas desde o momento da confirmação da gravidez, os esforços e sentimentos devem ser voltados para o bem dessa pequena vida que estará em breve entre todos nós, e deixar sentimentos e interesses pessoais de lado é fundamental.

Ao contrário de pensar no que poderá perder com a nova situação, o novo pai deve lembrar-se do que será acrescentado à sua vida, da riqueza da relação entre pai e filho, e da felicidade de concretizar cada sonho e meta em família. Aproveite então para organizar as finanças com a adição de um novo membro, de repensar a rotina diária do casal, e de aumentar a participação em toda a rotina da casa e da mulher.

Quanto mais participativo o pai for desde o começo, mais equilibrada será a relação da família como um todo e mais base emocional a criança terá. É importante lembrar que a participação não significa apenas comprar fraldas e trocá-las vez ou outra, mas ser o exemplo ativo para o seu filho todos os dias, para que a criança tenha um espelho tanto de pessoa quanto de relação para seguir.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios