Ovários Policísticos

Conheça os sintomas e qual a relação do problema com a gestação

Artigo publicado por Patrícia Ribeiro nas categorias: Doenças, Saúde

Muitas mulheres que querem engravidar ficam preocupadas se o fato de ter ovário policísticos pode dificultar esse desejo.  A síndrome do ovário policístico (SOP) se caracteriza por um desequilíbrio hormonal – um aumento na produção de hormônios masculinos – que traz algumas consequências para o corpo da mulher.

SOP

Uma delas é a alterações nos ciclos menstruais, o que pode levar a uma dificuldade para engravidar. Entenda o que acontece: todos os meses, o corpo da mulher libera o óvulo, é a chamada ovulação. Na síndrome dos ovários policísticos, os óvulos não amadurecem dentro dos folículos e não são liberados, podendo assim formar pequenos cistos.

Ovulação

O maior problema é que não ocorre a ovulação e, por isso, a mulher não menstrua com regularidade. Muitas vezes, ela menstrua a cada dois ou três meses. Outros sintomas são: aumento de pelos no queixo, buço, abdômen e seio, pele oleosa, acne, bem como a obesidade. Segundo os médicos, a obesidade pode até piorar a síndrome dos ovários policísticos. Em muitos casos, a mulher tem a síndrome e só vai apresentar os sintomas quando ganha muito peso.

As mulheres descobrem que têm o problema entre 20 e 30 anos, mas a síndrome também acomete as adolescentes. A SOP é considerada uma doença crônica e o diagnóstico é feito por meio de ultrassonografia. Ela não tem cura, mas saiba que, com o tratamento adequado, muitas mulheres não chegam a perceber os sintomas. Muitas vezes, é só a mulher emagrecer para regredir o problema. Outra solução é o uso de pílulas anticoncepcionais, que vai diminuir a produção do hormônio masculino, cuja alteração é característica dessa síndrome.

Dificuldade para engravidar

ovários

Apesar de menstruarem sem regularidade, não quer dizer que a mulher não vai ovular nessas menstruações, podendo sim engravidar. Caso ela não consiga, o médico pode receitar um indutor de ovulação, medicamento via oral, um tratamento que é sucesso em grande parte dos casos. Algumas mulheres com SOP conseguem engravidar até sem tratamento, mas como pode ser mais difícil, é aconselhável tratar o problema antes de ficar grávida. Em muitas situações, depois que têm o primeiro filho, mulheres deixam de apresentar a síndrome.

Porém, não se deve confundir a síndrome dos ovários policísticos com cisto no ovário. Na síndrome, a mulher apresenta uma grande quantidade de cistos. Já o cisto no ovário é unitário e tem um tamanho grande, de até 10 cm. Se a mulher descobre que tem um cisto grande no ovário, não quer dizer que ela vá desenvolver a SOP. E também não é porque a mulher apresenta pequenos cistos no ovário que vai desenvolver a síndrome. O médico irá avaliar todo o conjunto de sintomas e prescrever o tratamento adequado.

Mulheres com SOP têm mais chances de desenvolver diabetes tipo II, problemas cardiovasculares e hipertensão. Por isso, aquelas que conseguem engravidar devem ter atenção redobrada na gestação, por conta do risco de desenvolver pressão alta, diabetes gestacional e até aborto. O médico fará o acompanhamento no pré-natal, garantindo o desenvolvimento saudável do seu bebê.

Patrícia Ribeiro

Autora

Patrícia Ribeiro é mamãe 24h por dia de dois filhos maravilhosos e dedica seu raro tempo livre à compartilhar suas descobertas com outras mamães.



Comente!




*Campos obrigatórios